A dádiva de sangue


A dádiva de sangue

A dádiva de sangue é um acto voluntário para com quem está doente.
O sangue continua a ser o único tratamento para muitas doenças e o sangue só pode ser dado por pessoas saudáveis.

A única razão para se dar sangue é de contribuir, com a sua parte, para que outros possam ser tratados. Só assim pode haver sangue para todos e para os que, hoje saudáveis, possam ser tratados se um dia tiverem tal necessidade.

A dádiva de sangue é um acto voluntário, o que quer dizer que só dá sangue quem quer. Mas ainda continuamos a ser poucos e por tal este movimento tem que continuar a ser espalhado pelos amigos, pela família, por todos.

A dádiva é gratuita, o que quer dizer que ao dador não se pode, por lei, pagar com dinheiro ou dar qualquer coisa em troca. O sangue não tem preço. O sangue não é comercializável. O sangue tem que existir para tratar doentes, mas só existe se houver dadores voluntários cujo esforço e dedicação pelo bem-estar dos outros não tem preço.

Como se processa a dádiva de sangue

  • 1º - inscrição

Registo dos dados de identificação do dador

  • 2º - exame médico:

avalia se o dador tem condições de saúde para dar sangue, de modo a garantir a segurança do dador e do doente a quem vai ser administrado

  • 3º - a colheita de sangue

em alguns minutos, não mais de 12, uma unidade de sangue é colhida ao dador. A colheita é feita seguindo rigorosas técnicas de assepsia e o material usado nunca é reutilizado.

  • 4º - ligeiro repouso e ingestão

após a dádiva são recomendados 10 a 15 minutos de repouso e ser-lhe-á servida uma refeição ligeira que deverá acompanhar com ingestão de líquidos.

No total um dador despende apenas cerca de 45 minutos para dar sangue!
45 minutos do seu precioso tempo ... Poderão salvar uma vida preciosa!